quarta-feira, 16 de agosto de 2017

moscas





Os granulos de açúcar haviam ficados sobre a mesa, representando que o café estava encerrado.

Mesmo assim existia vida na mesa, por meio das moscas que passavam em seus voo rasantes em busca daquela mina de cristais.
Se aproxima uma, depois aterrissa a outra. 


Se aproximam dos cacos de glicose como os astronautas nos rochedos lunares. 


Pronunciam um zum incompreensível.
De repente uma onda branca se aproxima e faz as moscas voarem.


O funcionário do café termina de limpar a mesa. Uma outra pessoa se acomoda ali.
As moscas voaram para outro lugar.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

A Rabugenta



A senhora da minha rua era rabugenta, isso não podíamos negar.

Ela vivia varrendo a calçada e xingando sem parar, maldizendo alguém e fofocando sozinha. Quando jogávamos bola na rua, ela ameaçava rasga-la caso batesse na mureta da sua casa ou caísse no seu quintal. A gente ria, tirava sarro dela.
Anos depois fui visitar minha mãe e perguntei da tal senhora, ela já devia ter morrido com certeza.
Mas a verdade é que ela se encontrava no asilo do bairro.
Decidi ir visita-la. Cheguei na recepção e perguntei pelo nome da mulher, eles me indicaram o quarto dela. Me deparei com a mesma cara que conheci na infância, ela perguntou quem era e o que eu queria. Disse que não enxergava muito bem.
Contei para ela quem era e que queria saber o motivo daquela raiva toda que ela tinha alguns anos atrás.
Ela então contou que naquela época foi quando seu marido havia morrido, seu único companheiro, o amor da sua vida e que o que mais sentia falta era gritar e discutir com ele, como morava sozinha, discutia com o mundo.
Naquele momento entendi aquela senhora, lembrei do semblante dela quando eu era criança. De como tinha lagrimas prestes a cair, o rosto desolado.

Saí do asilo sabendo que um dia podia ser eu o rabugento. 

sexta-feira, 9 de junho de 2017

O expectador



A atmosfera é pesada. Cada átomo se contrai e não ousa sair do lugar.

Ela olha-o com fúria. O silêncio grita de medo. Todos gritam dentro de si.

Ele tenta encontra um canto onde seus olhos não confrontem o olhar dela, mas não consegue. Ela é todo o quarto, ela é o julgamento. O criado mudo é ela, a cama em que está deitado é ela.

Ele movimenta os lábios. As palavras se calam, nenhum um som ousa soar.

O gato vem assistir ao espetáculo

Por fim, ela dispara

- Você sabe que estou gravida

Ele finaliza

- Fui demitido




Fim.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Engarrafamento



No engarrafamento
Tudo para
                                                             anda um pouco

Para
                                              anda mais 

Para
                   
                                      anda
                 para
       
                                Ampara
               
Paranda
                                                                               Andapara

Até que a gente se depara
Que está tudo parado.

E aí para
pra pensar

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Rotina



Todo dia era a mesma coisa.
Acordava, levantava, escovava, aguá no rosto, veste roupa, tranca.
Desacordadamente pegava o ônibus B124-3, passava seu bilhete, girava a catraca. 
As 10 horas da manhã percebia por fim onde estava
Chorava.